“O que você faria se só lhe Restasse esse dia?”

Padrão

“Meu amor
O que você faria
Se só te restasse um dia?
Se o mundo fosse acabar
Me diz o que você faria

Ia manter sua agenda
De almoço, hora, apatia?
Ou esperar os seus amigos
Na sua sala vazia

Meu amor
O que você faria
Se só te restasse um dia?
Se o mundo fosse acabar
Me diz o que você faria

Corria pr’um shooping center
Ou para uma academia?
Prá se esquecer que não dá tempo
O tempo que já se perdia

Meu amor
O que você faria
Se só te restasse esse dia?
Se o mundo fosse acabar
Me diz o que você faria

Andava pelado na chuva?
Corria no meio da rua?
Entrava de roupa no mar?
Trepava sem camisinha?

Meu amor
O que você faria?
O que você faria?
Abria a porta do hospício?
Travanca da delegacia?
Dinamitava o meu carro
Parava o tráfego e ria?”

(“O QUE VOCÊ FARIA?”, de Paulinho Moska e Billy Brandão)

IT’S THE END OF THE WORLD AS WE KNOW IT*, já diria Michael Stipe, do R.E.M (uma das minhas bandas preferidas de todos os tempos!!) na música de mesmo nome. Apocalipse?? Fim do Mundo? É…passei essa semana quase que inteira de molho (bem doente) e nos raros momentos em que não estava dormindo por causa da medicação pesada, assisti TV. E, na TV, os noticiários. E nos noticiários, as infinitas notícias sobre desgraças e desastres naturais ao redor do mundo inteiro. Assim, de cabeça e pensando rápido, do início do ano para cá, poderia enumerar: 1-terremoto no Haiti; 2-terremoto e maremoto no Chile e no Pacífico; 3-tempestades absurdas e fora de época em várias cidades do Brasil, com desmoronamento de morros, alagamento de cidades quase que inteiras,etc; 4- tremores de terra (!!!) no Brasil;5-terremoto na China;6-erupção de vulcão na Europa, e por aí vai…….

Logo, vendo todas essas manchetes inundarem os noticiários diários, inevitável pensar que “alguma coisa está fora da Ordem” no planeta Terra,não é? Calma, calma, gente…esse não será mais um texto dizendo sobre como a “mãe natureza” está se revoltando contra a raça humana, nem sobre como deveríamos ter tratado melhor nosso Planeta…mas acontece que, diante de tudo isso, eu parei por alguns minutos pra pensar: E se for isso mesmo? E se o mundo estiver acabando? E se for o fim do mundo, de tudo?? E aí? O que a gente faz?”

Conviccções religiosas a parte (volta de Jesus, um novo céu e uma nova terra, os cavaleiros do apocalipse,etc), esse assunto já foi tema de inúmeros filmes, seriados, novelas, livros e até de músicas. Tem muita gente que acredita, assim como tem muita gente que não acredita. É assunto controverso e polêmico demais! Por isso, não quero me aprofundar nele, sob este aspecto (se é verdade, se não é, quando o mundo vai acabar, como vai ser, etc, etc, etc).

Mas, o questionamento que me veio foi o seguinte: independente se o fim (apocaliptíco) do mundo está próximo ou não, o fato é que nenhum de nós sabe quando irá morrer, certo? E, assim sendo, quando a gente morre, é o fim do mundo pra gente, naquele momento, certo? (com exceção de quem crê em reencarnação, mas aí já é outra conversa…). Então, eu pergunto: O QUE VOCÊ FARIA, SE SÓ LHE RESTASSE UM DIA? Se hoje fosse seu último dia, e não fosse haver amanhã pra você e você soubesse disso, como você agiria? Ou, ainda, se você tivesse uma sentença de morte decretada contra você (seja pela justiça, seja por motivo de doença), como você viveria seus últimos dias? Eu, particularmente, gosto do bom humor com que este filme trata o assunto, e, de igual modo, gosto das indagações que o Paulinho Moska  faz na letra da canção que colei ali em cima.

Você abriria a porta do hospício e trancava a da delegacia?

Transaria sem camisinha?

Mataria quem você odeia?

Pularia de pára-quedas?

Se jogaria de um penhasco, pra adiantar logo o fim?

Sairia beijando a boca de todo mundo?

Comeria, comeria, comeria até a hora do fim?

“Em verdade, em verdade vos digo” que a gente vive a nossa vida com a plena certeza de que sempre haverá o amanhã. Planejamos…temos milhares de sonhos e desejos que queremos um-dia-talvez-quem-sabe-realizar. Mas, e quando chega um momento em que a gente se depara cara a cara com a possibilidade de que este amanhã pode não chegar nunca? E aí???

Falando por mim, fiquei vários minutos aqui pensando em “n” respostas pra essa pergunta: pegaria o 1º vôo pra Itália ou pra França? Finalmente voaria de asa-delta,sem me importar com o preço? Iria atrás da pessoa de quem gosto e diria um sonoro EU TE AMO bem na frente dele, sem me preocupar com a reação, se eu seria rejeitada ou não?? Tomaria um porre homérico, e morreria tonta e bêbada? Daria um jeito de reunir as pessoas que mais amo e passaria os últimos minutos com todos eles juntos? Não sei, não sei…eita coisa difícil de se pensar, viu?

Certamente, possuo uma wishlit** imensa…sou uma menina-mulher super sonhadora. Tenho ainda tantas coisas a realizar, tantos lugares a conhecer, lugares a revisitar, pessoas a rever, pessoas a conhecer, coisas a aprender…muito difícil, senão quase impossível, determinar, em meio a isso tudo, o que teria mais prioridade, diante do fim eminente.

Assim, a única conclusão a que cheguei foi a de que a gente, de verdade, deve viver cada dia de forma intensa e como se fosse o último, porque olha, sinceramente, as vezes a gente perde tanto tempo com coisa e com gente que não vale a pena, e se embaraça, se atrapalha e deixa de ser feliz por causa de conceitos e (pre)conceitos arraigados na nossa consciência, por se apegar demais a bens materiais e a empregos e coisas do tipo, quando na verdade o que te faria, tipo assim, super-tri-feliz, seria pura e simplesmente passar o resto do dia de biquini/sunga, na beira da praia com as crianças e com aquele “alguém especial”, com direito a banho de mar, banho de chuva, e quilos e quilos de camarão com Coca-cola, sem se preocupar com a hora, assim mesmo, como se não houvesse amanhã.

Sim, eu sei, temos responsabilidade. Sim, eu sei, temos contas a pagar. Sim, eu sei, não dá pra viver todo dia assim de “maneira irresponsável”. Sim, eu sei, ninguém vive só de brisa do mar, nem de coca-cola. “Tudo é dinheiro”, já disse um amigo meu dia desses: até a infelicidade é dinheiro!! Mas, aqui entre nós, as vezes, assim, só as vezes, por alguns segundos ou minutinhos que sejam, não dá pra gente parar e pensar se na verdade não é mais feliz quem age “irresponsavelmente”, vez em quando? Esquecer que haverá um amanhã, por vezes, vai te fazer ser mais feliz no dia que se chama HOJE.

*”É o fim deste mundo na forma como o conhecemos”.

**lista de desejos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s