Arquivo da tag: música

Consolo.

Padrão

414214512_2526e2345d_o Mesmo sendo assim, pobre pecador Deus me ama
Mesmo sendo falho, mesmo sem merecer Deus me ama
Se eu estou forte, se eu estou de pé Deus me ama
Se eu estou fraco, se eu estou caído

(…)

Deus me ama, e o Seu amor é tão grande incondicional
Deus me ama, e Ele está sempre de braços abertos pra mim.” *

 

SEM MAIS COMENTÁRIOS….

 

* Música cantada por Mariana Valadão – Deus me Ama.

Anúncios

Agonia

Padrão

Eu poderia escrever muito mais de mil palavras aqui. Poderia dizer tantas coisas…coisas que foram, e que foram maravilhosas e inesquecíveis. Poderia também falar de tantas outras coisas que NÃO foram, mas que eu gostaria que tivessem sido.

Mas, durante todos esses meses, eu falei muito. Falei até demais. Senti demais. Pelo menos, eu também agi, e isso de certa forma me consola.

Só que agora, eu prefiro não dizer nem fazer mais nada. Tô cansada…cansada de falar, cansada de escrever, cansada de dizer, cansada de sentir.

Eu não queria sentir mais.

Eu espero não sentir mais.

Eu não vou sentir mais. Nada.

Quero ficar simplesmente anestesiada. Inebriada. Entubada. Desacordada.

Sem sentido, e sem sentimento.

E assim, quando as palavras que são nossas parecem não ser mais suficientes, a gente pode usar as palavras dos outros. Aí vai, então.

“Se fosse resolver, iria te dizer: foi minha agonia.
Se eu tentasse entender, por mais que eu me esforçasse, eu não conseguiria!
E aqui no coração eu sei que vou morrer um pouco a cada dia.

E sem que se perceba,a gente se encontra pra uma outra folia.
Eu vou pensar que é festa!
Vou dançar, cantar…é minha garantia.
E vou contagiar diversos corações com minha euforia.
E a amargura e o tempo vão deixar meu corpo,minha alma vazia.
E sem que se perceba, a gente se encontra pra uma outra folia…”

(“AGONIA”, de Mongol, interpretada por Oswaldo Montenegro)

Gosto de ser cruel.

Padrão

“E eu? Ah…eu sou capaz de gritar. De xingar. De te ofender, E sou capaz, até de te machucar. Mas…não de te esquecer! Eu sou capaz de chorar. E também, de ser ridícula até não aguentar. Posso bater com a cabeça na parede, posso fingir que não sou inteligente, posso pensar em vingança e traição…Mas, eu gosto é de ser cruel pra chamar sua atenção! Eu faço o que você quiser pra ganhar o seu coração…Eu gosto de ser cruel, pra agradar seu coração!”

(Adaptação da música “Gosto de ser Cruel”, do Kid Abelha – gosto dessa música desde a adolescência)

Em tempo: eu nunca bati com a cabeça na parede! Muito embora, às vezes até pareça que sim…rsrsrs

Num lugar além do arco-íris.

Padrão

ESSE TEXTO É PRA TI:

Ano passado, você me apresentou a Pollyanna! Por isso, nesse ano resolvi ler uns clássicos da literatura mundial que ainda não havia lido por inteiro. Assim, já passei pela Metamorfose (do Franz Kafka), A Carta ao Pai (tb do Franz Kafka – acho que vc iria gostar desse, inclusive), Alice no País das Maravilhas,  e agora estou no Mágico de Oz (os próximos da lista serão O Morro dos ventos Uivantes e Pequeno Príncipe). Tenho alternado entre esses livros e outros mais atuais e “pops” (tipo a saga do Crepúsculo, etc). Eu amo ler, afinal…
Mas bem, sendo adulta e lendo livros como o da Alice e O Mágico de Oz, é possível retirar lições e impressões que certamente não foram tiradas quando eu era criança e li os livros/vi os filmes.
No Mágico de Oz, por exemplo (ainda tô no início), mas só o começo dele já traz uma mensagem capaz de te fazer refletir por um bom tempo…
A Dorothy (personagem principal) mora sozinha em uma fazenda com os tios e não tem outros familiares nem amigos. Seu único companheiro é o cachorro, o Totó, que desaparece. E quando ela procura a tia, desesperada pelo sumiço de seu melhor amigo, a tia manda que ela se vire sozinha para encontrá-lo e que vá encontrar um lugar onde ela não meta mais em apuros. Depois disso, no filme, é onde tem  a cena na qual ela canta esta música do vídeo abaixo, que acabou se tornando um clássico das trilhas sonoras, cantado pela Judy Garland no filme.
Bem, resolvi escrever tudo isso pra você porque sei como você tem estado…pressão, estresse, problemas, etc….e essa é uma música que fala de ESPERANÇA! Dorothy crê que há um lugar, além do arco-íris, onde tudo vai bem e onde os sonhos se tornam realidade, muito embora ela não saiba onde esse lugar fica…e depois disso é que acontece o “milagre”: surge uma TEMPESTADE (qq semelhança é mera coincidência…) que a transporta magicamente para a Terra de Oz, que era o lugar além do arco-íris, pra ela!!! Deu pra sacar? A reviravolta, o rebuliço, a confusão, ter perdido o Totó naquele momento, foram essas coisas que acabaram levando Dorothy para o lugar onde ela queria ir mas que não sabia como encontrar.

Eu sei que você gosta de chuvas e de tempestades…. E eu tava pensando aqui com minhas pérolas (sim, porque sou fina e uso pérolas e não apenas “botões”! kkkkk), como é gostoso quando, no meio da tempestade, a gente encontra alguém que está disposto a tomar banho com a gente, ou então, a emprestar o guarda-chuva, caso a gente não queira mais se molhar. Eu já disse e repito, pra você sempre se lembrar que, apesar e acima de tudo que se passou, eu também sou super fã de tomar banhos de chuvas, mas que, por via das dúvidas, em também tenho guarda-chuvas de reserva.

Então, você pode terminar de ler esse texto agora, assistir o vídeo e prestar atenção na letra da canção e deixar ela penetrar lá naqueles cantinhos da sua alma onde ninguém mais consegue alcançar. E daí, você pode deixar as lágrimas virem, não há problema nem vergonha alguma nisso! Lado A e Lado B, lembra??? Assim, você pode dar permissão à Esperança para que ela tome conta de você, da mesma forma como ela fazia a muitos anos atrás, mas acabou se esvaindo pelo meio do caminho por causa das “cicatrizes que a vida te fez”……ter “medo de fazer planos, de tentar e sofrer outras vezes” é natural e humano. O que não é humano é deixar de fazê-los, deixar de tentar, por causa desses medos. Eu tenho fé que você é capaz disso. Do fundo do coração…e nos momentos em que você não tiver essa fé, pode gritar e eu vou fazer o que estiver ao meu alcance pra te ajudar a fazer essa fé renascer dentro de ti.

Há um lugar além, onde o céu é azul, onde os pássaros voam e onde os problemas derretem como gotas de limão…”

Leu? Ouviu? Pronto! Agora, não esquece que tô chegando com a janta!!!! kkkkk

Aqui

Padrão

Aqui. Eu nunca disse que iria ser a pessoa certa pra você,mas sou eu quem te adora.Se fico um tempo sem te procurar, é pra saudade nos aproximar, e eu já não vejo a hora. Eu não consigo esconder: certo ou errado, eu quero ter você! Ei, você sabe que eu não sei jogar,não é meu dom representar…Não dá pra disfarçar! Eu tento aparentar frieza mas não dá…É como uma represa pronta pra jorrar, querendo iluminar a estrada, a casa, o quarto onde você está. Não dá pra ocultar…Algo preso quer sair do meu olhar, atravessar montanhas e te alcançar, tocar o seu olhar, te fazer me enxergar e se enxergar em mim aqui.

Agora que você parece não ligar…Que já não pensa e já não quer pensar,dizendo que não sente nada…Estou lembrando menos de você. Falta pouco pra me convencer que sou a pessoa errada. Eu não consigo esconder: certo ou errado, eu quero ter você! Ei, você sabe que eu não sei jogar,não é meu dom representar…Não dá pra disfarçar! Eu tento aparentar frieza mas não dá…É como uma represa pronta pra jorrar, querendo iluminar a estrada, a casa, o quarto onde você está. Não dá pra ocultar…Algo preso quer sair do meu olhar, atravessar montanhas e te alcançar, tocar o seu olhar, te fazer me enxergar e se enxergar em mim. Em mim, aqui!!!

“Mas pra quê, se eu tenho a música?”

Padrão

Às vezes, a gente não precisa falar nada… pois o silêncio, por si só, já diz muito! E, às vezes, a gente não precisa falar nada quando uma coisa simples, tal qual essa canção, expressa o que gostaríamos de dizer…

“É, acho que eu vou embora!

Andar pelas ruas da cidade.

Sem endereço, sem identidade.

Levo em mim, saudades de você.

É…acho que eu vou embora!

Deixar para trás tudo pela metade.

Nesse apartamento amei de verdade

E bem dentro de mim, saudades de você.

Já é de manhã!

Palavra triste, de despedida, é o usual,

Não me leve a mal!

Já é de manhã!

Eu vejo a vida passando por nós dois…

E o quê é que vem depois?”

Ps¹: Música “Acho que eu vou embora”, cantada por Vanessa Rangel;

Ps²: É, infelizmente não consegui encontrar um vídeo melhor dela não…

Ela disse adeus…*

Padrão

Ela disse adeus, e chorou,
já sem nenhum sinal de amor.
Ela se vestiu, e se olhou;
sem luxo, mas se perfumou.
Lágrimas por ninguém,
só porque, é triste o fim.
Outro amor se acabou.

Ela quis lhe pedir pra ficar;
de nada ia adiantar.

Quis lhe prometer melhorar,
e quem iria acreditar?
Ela não precisa mais de você,
sempre o último a saber.

Ela disse adeus.
(Now the deed is done)
(As you blink she is gone)
(Let her get on with life)
(Let her have some fun).”

*Herbert Vianna