Arquivo da tag: namoro

Apaixonei!

Padrão

Heart_Full_of_Stars_by_silverbeam Então, galerinha…acontece que eu me apaixonei. É, isso mesmo…! E sabe o que é mais interessante e intrigante? É que tudo aconteceu meio que do nada! Quando eu menos esperava…quando eu menos imaginava e, pior, quando eu menos queria!

Ainda estava machucada, ferida doída, magoada…estava me recuperando, me reconstruindo, juntando alguns cacos do meu coração, dando um descanso pra ele, e pra mim também. Estava centrada em mim, focada na minha profissão, pensando em apenas curtir a solteirice, a liberdade, e sair e me divertir e conhecer gente nova, e curtir os amigos e a família, porto seguro para todas as horas…mas, daí, BOOM!!! Aconteceu!

Num domingo qualquer, numa festa qualquer, ao som de um reggae qualquer…eu bem que tentei resistir, me fechar, não romantizar…mas, não deu! Foi mais forte que eu! Quem, em pleno século XXI e aos 28 anos de idade ainda é pedida em namoro, como se fosse uma menina sentada no banco da escola na hora da saída?? EU!! =) Não resisti ao pedido, e disse SIM! Não resisti aos carinhos, aos abraços, aos telefonemas inesperados, às declarações, às surpresinhas…O melhor de tudo issoé que eu estou bem e feliz, como já fazia um tempo que eu não me sentia! Calma, tranquila…mesmo com os outros problemas que insistem em rodear nossa cabeça, afinal, a vida não é perfeita não é mesmo? Mas, quando se tem alguém do seu lado com quem você sabe que pode contar, que é seu cúmplice e que também te dá colo quando você precisa, confesso que enfrentar os tais problemas é bem mais simples.

Não vou dizer que ele é perfeito, porque não existe ninguém assim, e eu já passei da fase de acreditar que existem príncipes encantados. Mas que ele tem (quase) tudo o que eu quero e gosto em um homem, ah, isso ele tem…!

E…é isso!

QUE SEJA ETERNO, ENQUANTO DURE! =D

E ponto final.

Padrão

Tenho lembranças bastante nítidas de quando estava no primário, e, na escola, a professora passava ditado.

“- Ponto de exclamação”.

“- Ponto em seguida.”

“- Ponto parágrafo.”

“- Vírgula.”

“- E ponto final.”

Eu ficava um tanto quanto triste ao ouvir esta última frase, pois adorava escrever, era uma das tarefas mais divertidas pra mim, naquela época.

E então, outro dia, em função dos acontecimentos recentes da minha vida (fim do noivado, mudança de vida, troca de igreja, etc…), de repente essa frase ficou ecoando na minha cabeça: “E ponto final.”

Como eles são necessários na vida da gente…por mais difíceis, doloridos e até incômodos. Precisamos dos pontos finais. Precisamos das finalizações. Necessitamos dos términos. Porque, sem eles, é ABSOLUTAMENTE impossível que haja um novo começo. Ou, recomeços.

Acontece que, pra gente fazer uso dos tais pontos finais, é preciso ter coragem! Porque depois deles, na página seguinte, tem uma folha em branco, prontinha pra ser preenchida. É o novo, as novidades, a descoberta, o desconhecido! E tem coisa pra dar mais medo na gente e frio na barriga do que isso???

Só que, na minha opinião, quanto mais adiamos um ponto final que sabemos ser inevitável, mais sofremos e fazemos os que estão ao nosso redor sofrerem também, por terem que continuar fazendo parte de uma história que já deveria ter acabado. Falando de minhas experiências: meus pais se separaram quando eu já estava com quase 20 anos. Todavia, lembro muito bem que a vida conjugal deles já tinha sido seriamente abalada muuuuuitos anos antes disso. Mas, certamente faltou coragem pra colocar o ponto final. E assim, o tempo foi passando, os anos foram passando…se eles tivessem tomado a atitude de terminar o relacionamento antes, penso eu, não teria que ter vivido alguns traumas tais quais ver meu pai, bêbado, jogando sua pistola automática calibre 42 na direção da minha mãe, dizendo a ela para mata-lo de uma vez por toda e acabar logo com tudo aquilo. OU SEJA, ele sabia que tinha que por um ponto final, mas era tão covarde pra tanto, que preferia que alguém fizesse isso por ele, matando-o! Eu tinha 11 anos e NUNCA vou esquecer dessa cena, pode passar o tempo que for.

O fato é que pontos finais dóem sim. São chatos, sim. São difíceis e complicados, sim. Mas, ao longo de nossas vidas, nas subidas e descidas e curvas que a estrada tem, é impossível evita-los, e adia-los pode ser ainda mais desastroso!

Como recentemente eu descobri a Pollyanna e o Jogo do Contente, nada mais consolador do que, diante da iminência de um ponto final, procurar algo com o que ficar contente diante daquela situação. Talvez seja ruim pedir demissão e ficar desempregado. Mas, é uma possibilidade para arrumar um emprego melhor. Ou, quem sabe, poder passar alguns dias dormindo até mais tarde! Talvez seja realmente dificílimo desfazer um noivado às vésperas do casamento. Mas, certamente é bem melhor do que casar e ser infeliz, por falta de amor. Talvez, seja terrível ter que por o tal ponto final em um casamento de 10 anos. Mas, quem sabe não é esse o caminho que se precisa tomar para seguir um rumo novo na vida, que vai lhe levar a lugares antes apenas sonhados, a pessoas incríveis e especiais das quais você não poderia desfrutar se ainda tivesse nos “pontos em seguida”, e a sensações há muito perdidas??

Adiar o que deve ser feito hoje apenas trará mais problemas. Não temos o poder de evitar o que é inevitável. Mas, na minha opinião, ultimamente penso que nada se compara a uma página limpa, em branco. Prontinha pra ser escrita, enfeitada, desenhada com tudo de bom que há por aí e que pode resultar de uma atitude corajosa de colocar um PONTO FINAL em um capítulo da sua vida, para que outro, melhor ainda, possa ser iniciado.

Ponto.

Final!

<a href=”http://apaulinha.files.wordpress.com/2009/12/ponto-final.jpg”><img class=”alignright size-full wp-image-7″ title=”Ponto final” src=”http://apaulinha.files.wordpress.com/2009/12/ponto-final.jpg&#8221; alt=”” width=”282″ height=”171″ /></a>

<strong>E ponto final.</strong>

Tenho lembranças bastante nítidas de quanto estava no primário, e, na escola, a professora passava ditado.

<em>“- Ponto de exclamação”.</em>

<em>“- Ponto em seguida.”</em>

<em>“- Ponto parágrafo.”</em>

<em>“- Vírgula.”</em>

<strong><em>“- E ponto final.”</em></strong>

Eu ficava um tanto quanto triste ao ouvir esta última frase, pois adorava escrever, era uma das tarefas mais divertidas pra mim, naquela época.

E então, outro dia, em função dos acontecimentos recentes da minha vida (fim do noivado, mudança de vida, troca de igreja, etc…), de repente essa frase ficou ecoando na minha cabeça: <strong>“E ponto final.”</strong>

Como eles são necessários na vida da gente…por mais difíceis, doloridos e até incômodos. Precisamos dos pontos finais. Precisamos das finalizações. Necessitamos dos términos. Porque, sem eles, é ABSOLUTAMENTE impossível que haja um novo começo. Ou, recomeços.

Acontece que, pra gente fazer uso dos tais pontos finais, é preciso ter coragem! Porque depois deles, na página seguinte, tem uma folha em branco, prontinha pra ser preenchida. É o novo, as novidades, a descoberta, o desconhecido! E tem coisa pra dar mais medo na gente e frio na barriga do que isso???

Só que, na minha opinião, quanto mais adiamos um ponto final que sabemos ser inevitável, mais sofremos e fazemos os que estão ao nosso redor sofrerem também, por terem que continuar fazendo parte de uma história que já deveria ter acabado. Falando de minhas experiências: meus pais se separaram quando eu já estava com quase 20 anos. Todavia, lembro muito bem que a vida conjugal deles já tinha sido seriamente abalada muuuuuitos anos antes disso. Mas, certamente faltou coragem pra colocar o ponto final. E assim, o tempo foi passando, os anos foram passando…se eles tivessem tomado a atitude de terminar o relacionamento antes, penso eu, não teria que ter vivido alguns traumas tais quais ver meu pai, bêbado, jogando sua pistola automática calibre 42 na direção da minha mãe, dizendo a ela para mata-lo de uma vez por toda e acabar logo com tudo aquilo. OU SEJA, ele sabia que tinha que por um ponto final, mas era tão covarde pra tanto, que preferia que alguém fizesse isso por ele, matando-o! Eu tinha 11 anos e NUNCA vou esquecer dessa cena, pode passar o tempo que for.

O fato é que pontos finais dóem sim. São chatos, sim. São difíceis e complicados, sim. Mas, ao longo de nossas vidas, nas subidas e descidas e curvas que a estrada tem, é impossível evita-los, e adia-los pode ser ainda mais desastroso!

Como recentemente eu descobri a <a href=”http://pt.wikipedia.org/wiki/Pollyanna”>Pollyanna e o Jogo do Contente</a>, nada mais consolador do que, diante da iminência de um ponto final, procurar algo com o que ficar contente naquela situação. Talvez seja difícil ter que pedir demissão e ficar desempregado. Mas, é uma possibilidade para arrumar um emprego melhor. Ou, quem sabe, poder passar alguns dias dormindo até mais tarde! Talvez seja realmente ruim desfazer um noivado às vésperas do casamento. Mas, certamente é bem melhor do que casar e ser infeliz quando não se ama aquela pessoa. Talvez, seja terrível ter que por o tal ponto final em um casamento de 10 anos. Mas, quem sabe não é esse o caminho que se precisa tomar para seguir um rumo novo na vida, e que vai lhe levar a lugares antes apenas sonhados, a pessoas incríveis e especiais das quais você não poderia desfrutar se ainda tivesse nos “pontos em seguida”, e a sensações há muito perdidas??

Adiar o que deve ser feito hoje apenas nos trará mais problemas. <span style=”text-decoration: underline;”>Não temos o poder de evitar o que é inevitável. </span>Mas, na minha opinião, ultimamente penso que nada se compara a uma página limpa, em branco. Prontinha pra ser escrita, enfeitada, desenhada com tudo de bom que há por aí e que pode resultar de uma atitude corajosa tal qual colocar um <strong>PONTO FINAL</strong> em um capítulo da sua vida, para que outro, melhor ainda, possa ser iniciado.

Tenho vivido isso. E não me arrependo nem um segundo sequer………

Ponto.

Final!

Uma história comum.

Padrão

diario-da-nossa-paixaoNum dia comum, uma garota comum conheceu um cara comum. Era tudo ordinário, corriqueiro. Nada que chamasse, ou que merecesse atenção especial. Pelo menos,era isto o que ELA imaginava.

No dia seguinte, um telefonema. Minutos Dezenas Centenas de minutos ao telefone…uma ligação que parecia não ter fim, e ao mesmo tempo, ELES nem sentiam o tempo passar (como, num futuro não distante, saberiam que seria sempre assim quando estivessem juntos)…Alta madrugada já quando ELA, assustada, vê a hora avançada, próxima do raiar do sol, e então, pede, mesmo sem querer, para desligarem.

Aquele telefonema transformou-se em outro, e mais outro e mais outro. Ligação do “Bom dia!”.

Ligação do “Você já almoçou?”.

Ligação do Você já está em casa?”.

Ligação do “Só liguei pra te dar boa noite” que se transformava em mais inúmeros minutos noite e madrugada adentro……

Mensagens trocadas ao longo do dia, cheias de carinho.

Em poucos dias,tinham a ilusão de se conhecerem como ninguém.Muito embora tivessem se visto pessoalmente apenas uma vez.

ELA passava por um momento delicado em sua vida.Saindo de um relacionamento sério e “estável”.E sem querer,mas querendo, sem se dar conta,mas se dando, ELA foi se apegando…e ELE, entrando…de fininho, de mansinho, como só ELE seria capaz de fazer.Era o ombro amigo na hora certa. Era o “pai” cuidadoso e que pegava no pé. Era o “irmão” que a fazia rir e se lembrar de como a vida era boa assim, daquele jeitinho.

ELE queria vê-la de novo. E logo. Ligava. Pedia.Implorava,até! ELA?? Queria também. Muito. Mas…temia. Temia pelo que poderia vir a acontecer, pelo que poderia vir a não acontecer…temia,simplesmente.

Não demorou muito, ELA decidiu e foi. Foram…E ELES se viram, e se abraçaram, e se beijaram, e andaram de mãos dadas, e ficaram calados, abraçados, olhando a água e sentindo o vento bater…

O beijo dele? ELA logo veria que não conseguiria resistir….

Um dia depois, a saudade começou a doer tanto…e um novo encontro aconteceu. Com chuva! Distante! Na beira da praia!! Insano, mas inesquecível.

Depois disso, paixão declarada. Como poderiam negar? Ou esconder um do outro?? Sabiam que não fazia muito sentido…não da forma como tudo estava acontecendo…mas, quem foi que disse que as coisas tem que fazer sentido na vida, para darem certo?

Paixão. Desejo. Saudade. Tesão. Carinho. Aconchego. Confiança. Amizade!

Porém (como toda boa história, esta também tem um), as coisas não eram assim tão simples quanto aparentavam ser…nem pra ELE, nem pra ELA. Daí, a dor começou a aparecer. E as complicações. E os problemas. E as perguntas.

ELA, dividida e confusa, apesar de envolvida e já apegada. ELE, apesar de apegado e envolvido, confuso e dividido.

O maior medo dela, dentre todos os outros medos, era o de perder o GRANDE amigo que ganhara.Pessoinha especial demais, incomparável, a qual, quisera ELA, pudesse sempre ter por perto.Havia entre eles uma ligação difícil de se ver por aí, nos dias de hoje……

Acontece que, ELA sabe, tem horas em que a razão precisa falar mais alto que a emoção. Senão, que diferença faz ser humano?

Assim, depois de alguns acontecimentos um tanto quanto problemáticos, emblemáticos, traumáticos, ELA sabe que a coisa mais sensata a ser feita é dizer “Adeus”, muito embora sua alma relute exageradamente em fazer isso. Só o Imaginar já é dolorido, quanto mais o Fazer??……”Como ficar sem ELE?”, ela pensa. “Como não ter seus beijos? Como não receber suas ligações com imensa alegria no rosto?Como não sentir tanta saudade e ao mesmo tempo tanta satisfação em poder matá-la, ao se encontrarem? Como não ouvir a sua voz, tão amável e querida? Como não sentir o toque macio e quente de suas mãos ao lhe envolver? Como achar graça nos seus dias tão simples, ordinários e comuns, sem ter ELE por perto?

Mesmo assim, com todos esses “Como” gritando dentro de si, ELA sabe o que deve fazer. E nesta hora, inevitável é que as lágrimas rolem em seu rosto…Dói!

Ao telefone:

ELA (depois de meia hora de ligação,na porta do cinema) – Preciso ir…já perdi meia hora de filme.

ELE – Ah tá…que filme vais ver mesmo?

ELA (querendo muito que ele notasse que na verdade isto não era apenas o nome do filme,mas o que ela de fato queria poder dizer naquele momento,muito embora soubesse que talvez não fosse capaz de cumprir) – Te amarei para sempre.

ELE – Repete…

ELA – Te amarei para sempre

ELA, então, entra na sala de cinema…mas passa  a hora e meia seguinte sem conseguir pensar em nada que não fosse ELES DOIS. E no que ELA teria que fazer, depois do feriado e das viagens, quando se vissem novamente.

ELE choraria, ELA sabia. E naquele momento, não havia nada que  cortasse mais seu coração, do que vê-lo chorando.E ELA, pensava, “quantas lágrimas derramarei até que este aperto saia do meu peito, e que a dor passe?” Dias…meses…anos…..quem pode responder??

Buscando consolo e alento, ELA imaginava se um dia ao longo dos caminhos e descaminhos da vida, os seus caminhos se cruzariam novamente. Quem sabe?? ELA, certamente não…pois, só o que ELA sabe é que ELA jamais veria o rio, aquela praia na chuva ou iria aquela sorveteria sem que ELE estivesse em seu pensamento. E isto, pode passar o tempo que for……

O fim.

Padrão

borboletaE mais uma vez chego ao fim de um relacionamento. Aliás, eu diria, dO relacionamento. Sim, porque não se fica noiva de qualquer pessoa. Ele era o cara que eu acreditava que fosse “The One”. Aquele pra toda a vida. Mas……….não era.

Foi tudo conversado. Foi tudo chorado.Talvez nem tudo externado. Mas, definitivamente, tudo acabado.

Aliança tirada. Aliança devolvida. Aliança rejeitada. Aliança jogada fora no túnel.

Em casa,juntar fotos, roupas, cd’s, livros, cartas…incrível como um relacionamento pode caber dentro de uma caixa?

Por um tempo vou ficar, sim, na fossa. Eu sei disso, me conheço.Meio reclusa, ouvindo músicas tristes, vendo filmes que me fazem chorar.Isto faz parte do meu luto, afinal houve sim uma morte: a de nós 2.Mas, nada disso é eterno, disso eu sei.

Os “Fins” são assim…incômodos, chatos, por vezes, doloridos.Mas, absolutamente necessários quando se quer (e se precisa de) um novo começo.

E é nesta direção que eu vou caminhando agora. Sem pressa alguma, pelo contrário, quero mais é apreciar a viagem e desfrutar da paisagem……

Não quero desistir do amor. Não quero desacreditar de encontrá-lo. Mas também não quero e nem vou focar a minha vida e a minha atenção nisso. Dizem que se você ficar perseguindo uma borboleta,ela vai sempre fugir de você.Mas, se você ficar no jardim, distraída,quando menos esperar, ela vem e pousa no seu ombro.

E tem lugar melhor pra passar tempo do que em um jardim???